Cultura Urbana
Multiculturalidade
Muro de pintura livre
Sustentabilidade
BORDALO II
Coletivo RUA
CRACK KIDS
D*FACE
FAHR021.3
IAmEelco
Jacqueline de Montaigne
João Varela
Juan Jose Surace
KRUS
LOS PEPES
Mabel Vicentef
METIS
MOTS
NARK
ODEITH
Pedro Podre
Rita Cabaço
Rocket01
Stom500
Thiago Mazza
Thunders Crew
TRAFFIC
V4 Fat Heat
V4 Mikolaj Rejs
V4 PAUSEr
V4 RCLS
Zurik
Exposição
Instalação
Intervenção
Visita Guiada
Workshop
Jacqueline de Montaigne

Biografia

MURO LX_2021

portfólio

Image

Jacqueline de Montaigne (Lisboa, 1980) é uma pintora, muralista e artista paste-up anglo-portuguesa cuja arte figurativa dramática, infundida na natureza, pode ser encontrada em galerias internacionais e na proeminente cena da arte urbana em Portugal.

 

Jacqueline é uma artista autodidata com formação académica em ética médica e ciências da saúde e foi apenas em 2018 que decidiu prosseguir com a sua carreira artística a tempo inteiro. A sua obra está agora representada, tanto em coleções internacionais privadas como públicas, com mais de 50 murais, tendo as suas criações sido também utilizadas em iniciativas de intervenção social na Bélgica, Canadá, Portugal, Espanha, Brasil, Paraguai, República Dominicana, México, Peru, Colômbia, Guatemala e Costa Rica.

 

O trabalho de Jacqueline é introspcetivo e frequentemente autobiográfico, onde textos secundários, imagens e a identidade visual das suas figuras são utilizados para explorar a nossa verdadeira natureza em contraponto com as crenças impostas e as expectativas da sociedade.                                                                                                                    

 

A natureza também tem uma forte presença em todo o trabalho da artista, trazendo uma calma etérea, onde a fauna e flora escolhidas têm, cada uma delas, significados simbólicos. 


As andorinhas aparecem frequentemente no seu trabalho, representando um santuário; as aves em geral representam resiliência e as traças, que são outro motivo comum, representam a metamorfose. As diferentes flores estão ligadas a memórias específicas.

 

A aguarela é o seu meio preferido, pelo qual se apaixonou quando criança, quando pretendia estudar  ilustração científica.                                                                               

Independentemente da superfície em que trabalha, Jacqueline de Montaigne tenta sempre trabalhar os seus materiais, criando uma similitude com os efeitos e fluidez das aguarelas - muitas vezes englobando os seus temas em metais preciosos, quer seja uma pequena aguarela de qualidade científica, uma grande tela ou um mural de arte pública de rua de 400m/2 numa parede de betão desgastado.

 

Jacqueline vive atualmente em Cascais, Portugal, onde mantém uma prática de estúdio a tempo inteiro.

Intervenção
ImageImage

Local: 

Passeio do Báltico
38.762637,-9099547

Sinopse: 

Esta é a 8ª obra de arte de uma série chamada Guardian Rebels que foi originalmente criada para um seminário em 2019, em Lisboa, que se centrou em activistas e oradores de renome internacional, incluindo Ed Gillespie, um dos fundadores da Extinction Rebellion. Extinction Rebellion é um movimento ambiental global, conhecido pela utilização de obras de arte e simples impressão em blocos monocromáticos, nas suas mensagens e identidade globais. 

A magnitude do movimento, a sua identidade visual e utilização de diagramas e ilustrações de biologia da velha escola, é o que inspira Jacqueline a ser maior do que os "guardiães" da vida,representando aquilo que ela gosta de pensar como "santos modernos" (activistas do século XXI) - trazendo a consciência para as questões ambientais, através das detalhadas imagens informativas, simbólicas e representativas, e dos textos pintados nos seus corpos.

 

A intervenção será um lembrete de que nossa própria existência está condicionada à nossa capacidade coletiva de proteger a fauna e a flora ao nosso redor, para que possamos encontrar um equilíbrio para coexistir com e dentro do nosso mundo natural.

 

O mural consiste em figuras espelhadas voltadas umas para as outras, uma humana, a outra composta de fauna e flora. A figura humana terá a fauna e flora correspondentes tatuadas no seu corpo, como uma ode à natureza. As figuras gêmeas são ligadas por um círculo de cobre, criado a partir de folha de cobre real, que simboliza o valor da natureza, enquanto o círculo em si mesmo representa a continuidade.

Muro de Pintura Livre
Image

Local: 

FESTIVAL MURO'21

0,0

Sinopse: 

Sinópse não disponibilizada

Biografia

MURO LX_2021

portfólio

Image
ImageImage