Cultura Urbana
Multiculturalidade
Muro de pintura livre
Sustentabilidade
BORDALO II
Coletivo RUA
CRACK KIDS
D*FACE
FAHR021.3
IAmEelco
Jacqueline de Montaigne
João Varela
Juan Jose Surace
KRUS
LOS PEPES
Mabel Vicentef
METIS
MOTS
NARK
ODEITH
Pedro Podre
Rita Cabaço
Rocket01
Stom500
Thiago Mazza
Thunders Crew
TRAFFIC
V4 Fat Heat
V4 Mikolaj Rejs
V4 PAUSEr
V4 RCLS
Zurik
Exposição
Instalação
Intervenção
Visita Guiada
Workshop
BORDALO II

Biografia

MURO LX_2021

portfólio

Image

Artur Bordalo (Lisboa, 1987) é hoje conhecido por BORDALO II, nome artístico que escolheu como homenagem ao avô (o pintor Real Bordalo), promovendo uma continuidade e reinvenção do seu legado artístico.



A sua juventude desenrolou-se, precisamente, entre as horas passadas na companhia do avô e a sua incessante paixão pelas aguarelas, e as aventuras em torno do graffiti ilegal no submundo da cidade de Lisboa.


Afirma que os oito anos que frequentou na Faculdade de Belas Artes de Lisboa, lhe permitiram a descoberta da escultura e a experimentação de uma variedade de materiais que o distanciaram da pintura, que o levou até lá. O espaço público viria a ser o palco eleito para as suas explorações de cor e escala e a plataforma onde, gradualmente, foi transformando os seus hábitos e canalizando as suas vivências na construção e desenvolvimento do seu trabalho artístico, que se foca atualmente no questionamento da sociedade materialista e gananciosa de que faz (também) parte. A produção excessiva de "coisas" ou o consumo exagerado, que resulta na contínua produção de "lixo" e consequentemente, na destruição do nosso Planeta, são os temas centrais da sua produção artística. Esse "lixo", assume-se como a inusitada e singular matéria-prima que usa na construção das peças, de pequena ou grande escala, que tem espalhado um pouco por todo o mundo e que, acima de tudo, pretende ser veículo de um manifesto universal.


BIG TRASH ANIMALS


Big Trash Animals firma-se como o mais reconhecível corpo de trabalho de BORDALO II, seja pela mensagem, pela matéria-prima, pela escala ou por usar o espaço público como media. Digamos antes, como habitat. É uma série de trabalhos que visa chamar a atenção para um problema da atualidade que tende a ser esquecido e tornado uma banalidade ou considerado um mal necessário — a produção de lixo, o desperdício, a poluição e os seus efeitos no nosso planeta.


A ideia passa por representar uma imagem da natureza, neste caso os animais, construída com aquilo que a destrói. Através da criação de animais escultóricos gigantes, construídos exclusivamente com lixo (o mesmo que os mata), BORDALO II propõe um olhar diferente sobre os nossos hábitos consumistas.


Estas obras são construídas com materiais em fim de vida, muitos encontrados em terrenos baldios, fábricas abandonadas ou obtidos diretamente a empresas que terão de se desfazer deles para uma possível reciclagem. Pára-choques acidentados, contentores do lixo queimados, pneus, eletrodomésticos, são alguns dos componentes que conseguimos identificar quando olhamos mais profundamente sobre a peça, que tende a camuflar o fruto dos nossos hábitos com pouca consciência ecológica e social.

Contrariando uma lógica cada vez mais globalizante, BORDALO II apresenta-nos espécies locais, espécies extintas ou em perigo. Muito instantaneamente e naturalmente, a empatia humana gera um relacionamento emocional e afetivo com estes grandes animais, promovendo, desejavelmente, o questionar dos nossos atos e hábitos e, quem sabe, a sua posterior transformação, evolução.


Intervenção
ImageImage

Local: 

Avenida de Pádua
38.762944,-9.104629

Sinopse: 

"Participar no MURO significa participar e contribuir para uma cidade com mais cultura acessível a todos, juntamente com outros artistas, promovendo Lisboa como uma cidade interessada em cultivar os seus habitantes e visitantes."


Numa zona coberta e longa, a ideia é criar alguns elementos de repetição, remetendo à ideia de película de filme antigo. A nova série, Big Trash Animals - Lighted Plastic, onde são incorporados néon-LED e outros quadros de luz programáveis, aplicados entre e por baixo dos plásticos, de forma a criar texturas, transparências, contornos, etc. enfatiza esta ideia, com as luzes a darem ainda mais vida às (já) muito coloridas peças.



Com esta premissa, ao passar pelo túnel da Av. De Pádua, os pilares que inicialmente poderiam ser uma condicionante para a observação da peça no seu todo, passam a ser parte da mesma, criando um efeito de quebra da imagem, um ritmo que nos faz perder a noção de quantos bichos são, ou se estamos a ver a mesma peça de novo, num tempo e espaço dividido por segundos, enquanto avançamos ou regredimos no túnel. Este efeito consegue-se não só através do aproveitamento das características do túnel, mas também porque os vários mochos são idênticos, parecendo ser sempre o mesmo.

São 12 Mochos que irão dar vida a este túnel, tendo sempre inerente a mensagem de todo o corpo de trabalho do Bordalo II – a urgência em reutilizar, reciclar, parar de consumir em prol do nosso Planeta e de todos os que cá vivemos.

Biografia

MURO LX_2021

portfólio

Image
ImageImage